Resenha do filme gattaca

Ensaios

Faculdade Alves Faria Curso de Psicologia Psicologia da Saúde Resenha: Gattaca – experiência Genética Alessandro Junio de Oliveira Cunha (20091133042) Goiânia Março de 2011 Resenha: Gattaca – e Alessandro Junio de apresentada como OF3 Swipe to view nextp 3042) avaliação processual da disciplina psicologia da saúde à profa. Renata Silva. Resenha do Filme: Gattaca – experiência Genética Gattaca foi um nome criado a partir das iniciais das substâncias que compõem o DNA, as cadeias nitrogenadas: Timina, Citosina, Guanina e a um odelo preconceituoso e discriminatório de sociedade.

A eugenia, desde sua formulação, sempre foi um tema controverso, pois a categorização do ser humano, irremediavelmente leva ? discriminação, que por sua vez pode levar às atrocidades como o infanticídio de crianças verificado na China e na índia na busca do filho homem, ou a aberrações como o Holocausto na tentativa doentia, impetrada por Hitler, de “purificação” da raça ariana.

A manipulação genética é um tema dificil que requer reflexões profundas e discussões constantes na busca de soluções que não bstrua o progresso biomédico e ao mesmo tempo não impinja à sociedade preJulzos e dissabores maiores que os benefícios alcançados pelas ciências genéticas moderna. O filme do Neozelandês Andrew Niccol mostra a luta do protagonista Vincent Freeman (Ethan Hawke) que é fruto de uma concepção natural (fruto de amor) para vencer o sistema vigente onde os nascidos dessa forma eram considerados inválidos.

Os pais de Vincent nao suportando a pressão de uma sociedade fundamentada na visão eugênico-determinista do positivismo enético acabam por terem outro filho, mas desta vez nos padrões de excelência genética vigentes. Anton, o filho geneticamente perfeito, perde uma disputa de natação para s ent que a partir dai vence tornar-se um dos melhores pilotos da Gattaca, porém quando está próximo de realizar seu objetivo, um assassinato compromete o êxito de sua missão. Enfim o enredo da estória tem com objetivo mostra que o ser humano “imperfeito” é perfeitamente capaz de superar todas as dificuldades da vida biossocial.

Niccol usa a personagem Vincent para provocar um questionamento na ociedade e nos simpatizantes da eugenia, mostrando que o ser humano não se limita e não se define simplesmente pelo aparato genético, mas é fruto de uma interação genetico-ambiental como afirmam Loehlin e Nichols (1976, cit in Hansenne, 2003) que efetuaram um estudo com 800 pares de gêmeos, chegaram à conclusão de que (muito resumidamente) 40% das diferenças individuais referem-se a influencias genéticas e que 60% se referem a influencias do ambiente.

O homem é, grosso modo, um construto psico-biosocial. Referencias: Gattaca – experiência Genética Ficha Técnica 3

Post a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*