O bumba meu boi no folclore brasileiro

Ensaios

CENTRO UNIVERSITÁRIO CLARETIANO – PÓLO DE CURITIBA FOLCLORE ar 3 to view nut*ge CURITIBA – 2012 – PARANA CENTRO UNIVERSITÁRIO CLARETIANO – POLO DE CURI IBA trouxeram para o discurso pedagógico moderno um certo complexo de culpa ao tratar o tema dos conteúdos” (SACRISTAN, 2000, p. 120), especialmente quando se trata do folclore reglonal. É preciso, também, ultrapassar a idéia e a prática da divisão do objeto didático pelas quais os conteúdos disciplinares são decididos e selecionados fora da escola, por outros agentes sociais.

Quanto aos envolvidos no ambiente escolar, sobretudo os professores, caberia apenas refletir e decidir sobre as técnicas de ensino. Do Ensino de Arte – Folclore O fato folclórico é imemorial e, como cultura empírica, surgiu quando o homem tentou resolver e compreender as dificuldades e facilidades do seu habltat relacionadas com a sobrevivência, subsistência e perpetuação da espécie. O fato se mantém no universo, num processo de adequação, de flexibilidade, quando pressões externas ou internas atuam e impõem modificações.

Considerado como ciência ou como disciplina, independente ou subordinada, o Folclore tem uma linguagem que presenta termos de conceituação sem consenso universal (semelhantemente ao painel científico das Ciências Sociais, Antropologia, Psicologia Social, Sociologia) apesar de serem, esses termos fundamentals (povo, civilização, cultura, comunidade, etc. ). Estas diferenciações incidem e calibram a ciencia e o fato que é seu objeto.

Atualmente, a perfeição do conhecimento do fato folclóri PAGFarl(F3 calibram a ciencia e o fato que é seu objeto. Atualmente, a perfeição do conhecimento do fato folclórico se deve ao entrosamento, à interprenetração das ciências e não ? xclusão de uma sequer. A Inserção do fato folclórico no quadro da cultura integral não permite sua investigação apenas no setor específico em que se inclui, dada a relação com complexos culturais e a influencia exercida pelo mundo físico e pelo grupo social.

Da Avaliação Nas salas de aula, o professor é quem compreende a avaliação e a executa como um projeto intencional e planejado, que deve contemplar a expressão de conhecimento do aluno tendo como referencia uma aprendlzagem continuada. Isto significa: A compreensão dos elementos que estruturam e organizam a rte e suas relação com a sociedade contemporânea; A produção de trabalhos de arte visando à atuação do sujeito em sua realidade singular e social; A apropriação prática e teórica dos modos de composição da arte nas diversas culturas e midias, relacionadas à produção, divulgação e consumo. As pessoas sem imaginação estão sempre querendo que a arte slrva para alguma coisa. Servir. prestar. Dar lucro. Não enxergam que a arte [… ] é a única chance que o homem tem de vivenciar a experiência de um mundo da liberdade, além da necessidade. (Paulo Leminski) PAGF3ÜF3

Post a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*