Regras técnicas das instalações eléctricas de baixa tensão

Ensaios

PORTARIA N. 0 949-A,’2006 DE 11 DE SETEMBRO Regras Técnicas das Instalações Eléctricas de Baixa Tensão ÍNDICE • GENERALIDADES • DEFINIÇÕES • ALIMENTAÇÃO E ESTRUTURA DAS INSTALAÇÕES • INFLUÊNCIAS EXTERNAS • COMPATIBILIDADE • MANUTIBILIDADE • SERVIÇOS DE SEGURANÇA • INSTALAÇÕES TEMPORÁRIAS • PROTECÇÃO CONTRA OS CHOQUES ELECTRICOS • PROTECÇAO CONTRA OS EFEITOS TÉRMICOS EM SERVIÇO NORMAL • PROTECÇÃO CONTRA AS SOBREINTENSIDADES • PROTECÇAO CONTRA AS SOBRETENSOES • PROTECÇÃO CONTRA OS ABAIXAMENTOS DE TENSÃO • SECCIONAMENTO E COMANDO APLICAÇÃO DAS SEGURANÇA

MEDIDAS DE PROTEC ar 520 to • SELECÇAO DAS ME AS A INFLUÊNCIAS EXTERN EQUIPAMENTOS • CA FUNÇAO DAS TODOS OS AGEM (PROTECÇAO, COMANDO E SECCIONAMENTO) • LIGAÇÕES À TERRA E CONDUTORES DE PROTECÇAO • OUTROS EQUIPAMENTOS • ALIMENTAÇÕES (PARA SERVIÇOS) DE SEGURANÇA • VERIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO DAS INSTALAÇÕES LOCAIS CONTENDO BANHEIRAS OU CHUVEIROS (CASAS DE BANHO) • PISCINAS E SEMELHANTES LOCAIS CONTENDO RADIADORES PARA SAUNA • INSTALAÇÕES DE ESTALEIROS • INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS EM ESTABELECIMENTOS AGRÍCOLAS OU PECUÁRIOS • LOCAIS CONDUTORES EXIGUOS • LIGAÇAO A TERRA DE INSTALAÇOES

DE EQUIPAMENTOS DE TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO • REGRAS COMPLEMENTARES [CONDIÇOES DE ESTABELECIMENTO DAS INSTALAÇÕES CONSOANTE A UTILIZAÇÃO DO LOCAL] • INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE ALTA TENSÃO ALIMENTADAS A PARTIR DE INSTALAÇÕES DE BAIXA TENSÃO • INSTALAÇÕES Eléctricas de Baixa Tensão] GENERALIDADES secção 11 secção 12 secção 13 secção 14 CAMPO DE APLICAÇÃO OBJECTIVO PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS LIMITES DAS INSTALAÇÕES íNDlCE 1 – Generalidades. 11 – Campo de aplicação. 12 – Objectivo. 13 – Princípios fundamentais. 131 – Protecção para garantir a segurança. 131. 1 – Generalidades. 1. 2 – protecção contra os choques eléctricos. 131 . 2. 1 – Protecção contra os contactos directos. 131. 2. 2 Protecção contra os contactos indirectos. 131. 3 Protecção contra os efeitos térmicos. 131. 4 – Protecção contra as sobreintensidades. 131. 5 – Protecção contra as correntes de defeito. 131. 6 – Protecção contra as sobretensões. 132 – Concepção das instalações eléctricas. 132. 1 – Generalidades. 132. 2 – Características da alimentação. 132. 2. 1 – Natureza da corrente. 132. 22 – Natureza e número de condutores. 132. 2. 3 – Valores característicos e tolerâncias. 132. 2. Esquemas de ligações à terra inerentes à alimentação e outras condições relativas à protecção. 132. 2. 5 – Exigências particulares do distribuidor de energia eléctrica. 132. 3 – Natureza do fornecimento. 132. 4 – Alimentação de segurança ou de substituição. 132. 5 – Condições ambientais. 132. 6 – Secção dos condutores. 132. 7 – Modo de instalação das canalizações. 132. 8 – Dispositivos de protecção. 132. 9 – Dispositivos para corte de emergência. 132. 10 – Dispositivos de seccionamento. 132. 11 – Independência da instalação eléctrica. 132. 12 – Acessibilidade dos equipamentos eléctricos. 3 – Selecção dos equipa cos. eléctricos. 133. 1 – Generalidades. 133. 2 – Características. 133. 2. 1 – Tensão. 133. 2. 2 – Corrente. 133. 2. 3 – Frequência. 133. 2. 4 – Potência. 133. 3 – Condições de instalação. 133. 4 – prevenção dos efeitos prejudiciais. 134 – Execução e verificação das instalações eléctricas antes da entrada em serviço. 134. 1 – Execução. 134. 2 – Verificação antes da entrada em serviço. 14 – Limites das instalações. 141 – Origem das instalações. 142 – Limite (a jusante) das instalações. DEFINIÇOES Secção 21 Secção 22 Secção 23 CARACTERÍSTICAS DAS

INSTALAÇOES ENSOES PROTECÇAO CONTRA OS CHOQUES ELÉCTRICOS Secção 24 LIGAÇÕES À TERRA Secção 25 Secção 26 Secção 27 secção 28 secção 29 CIRCUITOS ELECTRICOS CANALIZAÇOES EQUIPAMENTOS SECCIONAMENTO E COMANDO COMPE ÊNCIA DAS PESSOAS ÍNDICE 2 – Definições. 21 – Características das instalações. 211 – Características gerais. 21 1 . 1 – Instalação eléctrica (de ediffcios) (826-01-01 Instalação eléctrica (de utilização) (de edifícios). 211. 2 – Rede de distribuição. 21 1. 3 – Origem de uma Instalação eléctrica (826-01-02); Origem de uma instalação eléctrica (de utilização). 2 – Grandezas. 212. 1 – Valor estipulado (151-04 03). 213 – Instalações diversas. 213. 1 Instalações temporárias. 213. 1. 1 – Instalações para reparações. 213. 1. 2 – Instalações para trabalhos. 213. 1. 3 – Instalações de estaleiros. 214 semi-permanentes. 213. 1 *GF3 Alimentação de socorro (826-01-06); Alimentação de reserva; Alimentação de substituição. 216 – Factores. 216. 1 – Factor de utilização. 216. 2 – Factor de simultaneidade. 217 – Influências externas. 217. 1 – Temperatura ambiente (826-01-04). 22 – Tensões. 221 – Tensao nominal (de uma instalaçao) (826-02-01). 222 –

Domínios das tensões em corrente alternada. QUADRO 22A [Domínios das tensões em corrente alternada (valores eficazes)] 223 Domínios das tensões em corrente contínua. QUADRO 228 [Domínios das tensões em corrente contínua] 23 – Protecção contra os choques eléctricos. 231 – Termos gerais. 231. 1 – Choque eléctrico (826-03-04). 231. 2 – Contacto directo (826-03-05). 231. 3 – Contacto indirecto (826-03-06). 231. 4 – corrente de choque (826-03-07). 232 – Condutores, partes activas e massas. 232. 1 – Condutor activo. 232. 2 – condutor neutro (Símbolo N) (826-01-03). 232. 3 – Condutor PEN (826-04-06). 232. Parte activa (826-03-01). 232. 5 – parte activa pengosa (826-03-15). 232. 6 – partes simultaneamente acessíveis (826-03-10). 232. 7 – Parte intermédia. 232. 8 – Massa (825-03-02). 232. 9 – Elemento condutor (estranho à instalação eléctrica) (826-03-03). 233 – Defeitos. 233. 1 – Defeito. 233. 2 – Impedância da malha defeito. 233. 3 – Corrente de defeito. 233. 4 – Corrente de defeito à terra. 233. 5 Corrente de fuga (numa instalaçá0) (826-03-08). 233. 6 – corrente diferencial- residual (826-03-09); Corrente residual. 234 – Tensões. 234. 1 Tens¿o de defeito. 234. 2 – Tensao de contacto (826-02-02). 34. Tensão de contacto presumida (826-02-03). 234. 4 – Tensão limite convencional de contacto UL (8 contacto presumida (82602-03). 234. 4 – Tensão limite convencional de contacto UL (826-02-04). 234. 5 – Tensão de passo Up (195-05-12). 235 – Diversos. 235. 1 – Volume de acessibilidade (a contactos) (825-03-11 235. 2 – pavimentos e paredes isolantes. 235. 3 – Protecção por limitação da corrente permanente ou da carga eléctrica (826-03-16). 235. 4 – Invólucro (826-03-12). 235. 5 – Barreira (826-03-13). 235. 6 – Obstáculo (826-03-14). 236 – Isolamentos. 236. 1 – Isolamento. 236. 2 – Isolamento principal 826-03-17). 36. 3 – Isolamento suplementar (826-03-18). 236. 4 Duplo isolamento (826-03-19). 236. 5 – Isolamento reforçado (826-03-20). 236. 6 – Impedância de protecçao. 236. 7 – Nivel de isolamento de uma instalação. 237 – Classificação dos equipamentos relatlvamente à protecção contra os choques eléctricos. 237. 1 – Equipamento da classe 0. 237. 2 – Equipamento da classe l. 237. 3 – Equipamento da classe II. 237. 4- Equipamento da classe III. 24 – Ligações à terra. 241 – Termos gerais. 241. 0 – Terra (826-04-01 241. 1 – Condutor de protecção PE (826-04-05). 241. 2 – Condutor pnncpal de protecção. 1 – Condutor de terra (825-04-07). 241. 4 – Condutor de ligação do neutro à terra. 242 – Eléctrodos de terra. 242. 1 – Eléctrodo de terra (826-04-02). 2422 – Eléctrodos de terra electricamente distintos (826-04-04); Eléctrodos de terra independentes. 243 – Diversos. 243. 1 – Instalação de ligação à terra. 243. 2 – Terminal principal de terra (826-04-08); Barra principal de terra. 243. 3 – Resistência global de terra (826-04-03). 244 – Ligações equipotenciais. 244. 1 – Ligação equipotencial (826-04-09). 244. 2 – Con P-AGF (826-04-03). 244 – Ligações equipotenciais. 244. 1 – Ligação equipotencial (826-04-09). 44. – Condutor de equipotencialidade (826-04-10). 25 – Circuitos eléctricos. 251 – Termos gerais. 251. 1 – Circuito (eléctrico) (de uma instalaçao) (826-05-01). 251. 2 – Circuito de distribuiçao (de edifícios) (826-05-02). 251. 3 – Circuito final (de ediffcios) (826-05-03). 251. 4 – Protecção eléctrica contra as sobreintensidades. 251. 5 – Detecção de sobreintensidades. 251. 6 – Quadro. 252 – Correntes. 252. 1 – Corrente de serviço (de um circuito) (826-05-04). 252. 2 – Corrente (permanente) admissível (de um condutor) (826-05-05). 252. 3 – Sobreintensidade (826-05-06). 252. 4 – Corrente de sobrecarga (de um circuito) 826-05-07). 52. 5 – Corrente de curto-circuito (franco) (826-05-08). 253 – Dispositivos de seccionamento, de comando e de protecção. 253. 1 – Seccionador. 253. 2 – Interruptor (mecânico) (441-14-10). 253. 3 – Fusível corta-circuitos fusível) (441-18-01). 2534 – Disjuntor (441-14-20). 253. 5 – contactor (mecânico) (441-14-33). 253. 6 – Dispositivo sensível à corrente diferencial- resldual (abreviadamente, dispositivo diferenclal). 253. 7 – Aparelho de conexão, de comando e de protecção auto- coordenados (ACCPA). 254 – Características dos dispositivos de protecção. 254. 1 – Corrente estipulada. 254. – Corrente onvencional de não funcionamento (de um dispositivo de protecçao) Inf (826-050). 254. 2 – A corrente convencional de funcionamento (de um dispositivo de protecção). 254. 3 – Poder de corte. 26 – Canalizações. 261 – Termos gerais. 261. 1 – Condutor isolado (461-04-04). 261. 2 – Cabo (isolado) (461-06-01 Termos gerais. 261 . 1 – Condutor isolado (461-04-04). 261. 2 – Cabo (isolado) (461-06-01). 261. 3 – cabo monocondutor (451-06-02); Cabo unipolar. 261. 4 – Cabo multicondutor (461-06-03); Cabo multipolar (461-05-04). 251. 5 – Bainha (de um cabo) (461-05-03). 261. 6 – cananzaçao (826-06-01). 261. 7 – Ligação. 61. – Junçao. 261. 9 – Derivação. 262 – Modos de instalação. 262. 1 – Canalização fixa a superfícies de apoio. 262. 2 – caleira (Ref. a 41, 42, 43) (826-06-05). 262. 3 – Caminho de cabos (Ref. a 12, 13) (826-06-07). 262. 4 – (Disponível. ) 262. 5 – conduta (termo geral) (Ref. a l, 2, 3, 4, 5, 22, 23, 24) (826-06-03); Tubo (conduta de secção circular). 262. 6 – Travessia. 262. 7 – Ducto. 262. 8 – Galena 262. 9 – Calha (coberta) (Ref. a 31 a 34) (826-02-04). 263 – Diversos. 263. 1 – consolas (Ref. a 14) (826-06-09). 263. 2 – (Disponível. ) 263. 3 Roço. 263. 4 – Vala (ou trincheira). 263. 5 – Oco da construção Ref. 21, 22, 23) (826-06-02). 263. 6 – Escada (para cabos) (Ref. a 1 6) (826-06-08). 263. 7 – Braçadeiras (Ref. a 15) (826-06-11); Cerra- cabos. 263. 8 – Canalização pré-fabricada. 27 – Equipamentos. 270 – Termos gerais. 270. 1 – Equipamento eléctrico (826-07-01); Material eléctrico (desaconselhável, neste sentido). 270. 2 – Aparelho de utilização (826-07-02). 270. 3 – Aparelhagem (826-07-03). 271 – Possibilidades de deslocamento. 271 . 1 Aparelho de utilização móvel (826-07-04). 271. 2 – Aparelho de utilização portátil (empunhável) (826-07-05). 271. 3 – Aparelho de utilizaçao fixo (826-07-06). 271. Aparelho de utilizaçao inamovW’el (826-07-07). 28 – Seccionamento e comando. 281 – Termos gerais. 281. 1 utilização inamovível (82607-07). 281 – Termos gerais. 281. 1 – Seccionamento (826-08-01 281 – Desconexão para manutenção mecânica (826-08-02). 281. 3 – Desconexão de emergência (826-08-03); Corte de emergência. 281. 4 – paragem de emergência (826-08-04). 281. 5 – Manobra funcional (826-08-05); Comando funcional. 281. 6 Circuito de comando. 29 – Competência das pessoas. 291 – Termos gerais. 291. 1 – Pessoa qualificada (826-09-01 291. 2 – pessoa Instruída (825-09-02); pessoa prevenida. 291. – pessoa omum (826-09-03); Pessoa do público. ALIMENTAÇÃO E ESTRUTURA DAS INSTALAÇÕES Secção 311 POTCNCIA A ALIMENTAR E FACTOR DE SIMULTANEIDADE secçao 312 TIPOS DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO Secção 313 ALIMENTAÇÃO Secção 314 ESTRUTURA 30 – Determinação das características gerais das instalações. 300. 1 – Generalidades. 31 – Alimentação e estrutura das instalações. 311 – Potência a alimentar e factor de simultaneidade. 312 – Tipos de sistemas de distribuição. 312. 1 – Tipos de esquemas dos condutores activos. 312. 2 – Tipos de esquemas das ligações à terra. 312. 2. 1 – Esquema TN em corrente lternada. 12. 2. 2 – Esquema TT em corrente alternada. 312. 2. 3 – Esquema IT em corrente alternada. 312. 2. 4 – Esquemas em corrente continua. 313 – Alimentação. 313. 1 – Generalidades. 313. 1. 1. 1 – Natureza da corrente. 313. I . 1. 2 Tensões. 313. 1 . 1. 3 – Frequência. 313. 1. 1. 4 – Corrente de curto- circuito presumida. 313. 2 para serviços de 314- Estrutura. 314. 1 – Divisão da instalação. 314. 2 – Circuitos finais. 314. 3 – Alimentação de um edifício por várias fontes. 314. 4 – Distribuição do condutor neutro. INFLUÊNCIAS EXTERNAS secçao 320 GENERALIDADES secçao 321 AMBIENTES secçao 322

UTILIZAÇÕES Secção 323 CONSTRUÇÃO DOS EDIFÍCIOS 32 – Influências externas. 320 – Generalidades. 320. 1 – Introdução. 320. 2 – Codificação. 321 – Ambientes. 321 . 1 – Temperatura ambiente. 321 . 2 – Condições climáticas (influências combinadas da temperatura e da humidade). 321. 3 – Altitude. 321. 4 – presença da água. 321. 5 – Presença de corpos sólidos estranhos. 321. 6 – Presença de substâncias corrosivas ou poluentes. 321. 7 – Acções mecânicas. 321. 7. 1 – Impactos. 321 . 7. 2 – Vibrações. 321 . 7. 3 – Outras acções mecânicas. 321. 8 – Presença de flora ou de bolores. 321. 9 – Presença de fauna. 1. 10 – Influências electromagnéticas, electrostáticas ou ionizantes. 321 . 11 – Radiações solares. 321. 12 – Efeitos sísmicos. 321 . 13 – Descargas atmosféricas, nível cerâunico 321. 14 – Movimentos do ar. 321 . 15 – Vento. 322 – Utilizações. 322. 1 – Competência das pessoas. 322. 2 – Resistência eléctrica do corpo humano. 322. 3 – Contactos das pessoas com o potencial da terra. 322A – Evacuação das pessoas em caso de emergência. 322. 5 – Natureza dos produtos tratados ou armazenados. 323 – Construção dos edifícios. 323. 1 – Materiais de constru ão_ 323. 2 – Estrutura dos edifícios. *GFg

DE ALTA FREQUÊNCIA Secção 333 OUTRAS CAUSAS DE PERTURBAÇOES INDICE 33 – Compatibilidade. 331 – Perturbações de baixa frequência. 331. 1 – Flutuações da frequência. 331. 2 – Variações de tensão. 331. 3 – Correntes de arranque. 331. 4 – Correntes harmónicas. 331. 5 – Sobretensões à frequência industrial. 331. 6 – Desequilíbrios de tensão. 332 – Perturbações de alta frequência. 332. 1 – Sobretensões transitórias com a forma de impulso. 332. 2 – Oscilações de alta frequência. 332. 3 – Outras perturbações de alta frequência. 333 Outras causas de perturbações. 333. 1 – Componentes continuas. 333. Correntes de fuga. 333. 3 – Equipamentos susceptíveis de fornecer corrente à rede de alimentação. MANUTIBILIDADE secçao 341 GENERALIDADES secçao 342 SELECÇAO E INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS EM FUNÇÃO DA MANUTENÇAO 34 – Manutibilidade. 341 – Generalidades. 342 – Selecção e instalação dos equipamentos em função da manutenção. SERVIÇOS DE SEGURANÇA Secção 351 GENERALIDADES Secção 352 CLASSIFICAÇÃO Secção 353 FONTES DE SEGURANÇA E FONTES DE SOCORRO 35 – Serviços de segurança. 351 – Generalidades. 352 – Classificação. 353 – Fontes de segurança e fontes de socorro. INSTALAÇÕES TEMPORÁ PAGF

Post a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*